#Factuais

Mato Grosso segue em terceiro lugar entre os Estados da Amazônia Legal no ranking da devastação, aponta pesquisa

O Estado também apresenta índices negativos quando a pauta é o desmatamento em terras indígenas (Reprodução/Internet)

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MATO GROSSO (MT) – O Mato Grosso está entre os Estados que mais apresentaram área de floresta devastada no Brasil em 2021. Segundo dados publicados pelo MapBiomas no último dia 19 de julho, a região que integra a Amazônia Legal aparece em terceiro com perda de 189.880 ha, o que equivale a (11,5%) de área destruída.

O Estado perde apenas para o Amazonas, que ocupa o segundo lugar dentre os que mais desmataram, com 194.485 ha destruídos (11,8%), e para o Estado do Pará, que lidera a lista de maior área desmatada, em 2021, apresentando 402.492 ha (24,3% do total).

Região de desmatamento no Estado do Mato Grosso (Reprodução/Internet)

Terras Indígenas

Além de ocupar o terceiro lugar em relação ao desmate nacional, o Mato Grosso também apresenta índices negativos quando a pauta é o desmatamento em Terras Indígenas (TI). De acordo com o relatório, foram registrados de 200 a 1 mil hectares de florestas devastadas em terras indígenas localizadas no Mato Grosso.

Ao menos sete (TIs) foram atingidas, segundo o MapBiomas, que aponta um aumento de 57% no número de desmatamentos em áreas indígenas, no Brasil, entre 2019 e 2021. Locais como Piripkura e Sangradouro são (TI) sofreram considerados índices de desmatamento. Piripkura aparece com 1.251,32 hectares desmatados e quatro alertas sobre o avanço da destruição e Sangradouro apresentou 1.104,11 hectares desmatados e um alerta.

Queimadas

No início de julho deste ano, o Mato Grosso também foi o campeão de queimadas na Amazônia Legal. Dos quase 5,2 mil focos de fogo identificados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de janeiro até o início deste mês, 70% foram na região de Mato Grosso, onde estão localizados os dez municípios brasileiros com o maior número de queimadas durante o período mencionado.

A derrubada das árvores na região e a pouca proteção destinada às terras indígenas e reservas legais, no Estado, faz do local com mais de 30 milhões de hectares de Floresta Amazônica um bioma considerado de baixa qualidade. Com relação às queimadas, por exemplo, das dez terras indígenas que tiveram episódios de incêndios, metade foi no Mato Grosso.

Das dez terras indígenas que tiveram episódio de incêndios, neste ano, metade foi no Mato Grosso. (Reprodução/Internet)

MapBiomas

O MapBiomas Alerta é uma iniciativa do consórcio MapBiomas, formado por mais de 20 organizações, entre ONGs, universidades e empresas de tecnologia, e que processa alertas de desmatamento emitidos por cinco sistemas: o Deter (do Inpe, para a Amazônia e o Cerrado), o SAD (do Imazon, para a Amazônia), o Glad (da Universidade de Maryland, para Mata Atlântica, Pantanal e Pampa), o Sirad-X (do Instituto Socioambiental, para a bacia do Xingu), e o novo SAD Caatinga (da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e da Geodatin).



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais e, atualmente, é diretora executiva da Agência e Revista Cenarium. Há 16 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)