#Factuais

1ª Mostra Intercultural de Moda Indígena de Manaus reúne estilistas promovendo diversidade e tradições dos povos originários

As peças são vendidas para o público (Ana Carolina Beauvoir/Cenarium)

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – “Esse evento é superimportante para nós profissionais indígenas. Abre portas para os trabalhos produzidos, e estamos felizes em poder mostrar nossas peças e levar nossa criação adiante”, celebra a estilista indígena Irá Tikuna durante a abertura da 1ª Mostra Intercultural de Moda Indígena de Manaus. Com o tema “Grafismo Indígena: Tradições, Ancestralidade e Contemporaneidade”, o primeiro dia do evento ocorreu no sábado, 2, na Maloca dos Povos Indígenas, localizada no Parque das Tribos, Rua Rio Purus, Tarumã-Açu.

O projeto, desenvolvido pelos ‘Contadores de História’, em parceria com a ‘Seanny Artes Produções’, é considerado um marco e contou com a participação de 32 estilistas de diversas etnias como: os Munduruku, Sateré-Mawé, Baré, Tikuna, Desana, Witoto, Mura, Tariano, Miranha, Carapãna, Kambeba, Kulina e Marubo.

A mostra teve como tema ‘Grafismo Indígena: Tradições, Ancestralidade e Contemporaneidade‘ (Ana Beauvoir/Cenarium)

Os figurinos com traçados, pinturas e artesanatos, que representam a especificidade de cada etnia indígena, foram apresentados ao público com desfile de 37 modelos: masculino, feminino e infantil. E, logo após o término da mostra, as peças serão disponibilizadas para venda aos interessados nos ateliês de cada estilista.

Promoção e Inclusão

A artesã e estilista Elizete Tikuna foi uma das profissionais que produziu peças para o desfile. Ela detalha que cada item resgata, promove e perpetua a identidade dos povos originários. “Sou muito agradecida, as pessoas vão poder ver nossa arte, identidade, nosso grafismo que representa força, coragem, persistência, resistência e a nossa existência”, diz a artista.

A programação foi além de um evento de moda. No dia da inclusão da conscientização mundial do autismo, o jovem Felipe Silveira Guarani de 17 anos, que possui o Transtorno do Espectro Autista (TEA), teve a oportunidade de socializar em grande estilo. “Foi o melhor e mais marcante momento da minha vida. Um momento de inclusão social. Me senti um rockstar”, comenta.

A iniciativa promove a diversidade e a peculiaridade de cada cultura indígena (Ana Beauvoir/Cenarium)

Locais e orientações

Ao todo, serão três dias de evento. O segundo dia de programação de moda será realizado no dia 9 de abril, no Salão Solimões, anexo do Palácio Rio Negro, localizado na Avenida 7 de Setembro, 1546, Centro, a partir das 18h.

No dia 23, o encerramento será na Praça de Alimentação, no Sumaúma Park Shopping, localizado na Avenida Noel Nutels, 1762, Cidade Nova, a partir das 18h. De acordo com a artista cênica e uma das responsáveis pela programação, Seanny Oliveira, as entradas serão gratuitas, porém, é preciso apresentar a carteira de vacinação junto à utilização de máscaras durante todo o evento.

*Colaborou Ana Carolina Beauvoir



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais e, atualmente, é diretora executiva da Agência e Revista Cenarium. Há 16 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)