Paula Litaiff

Pré-candidato ao governo do AM, Braga foi o que mais gastou; fornecedor foi criado no mandato

Eduardo Braga informou, por meio de sua assessoria, que não há ilegalidades em suas despesas (Reprodução/Senado)

Paula Litaiff – Da Revista Cenarium*

MANAUS – Um levantamento feito junto ao sistema do Senado apontou que o senador eleito pelo Amazonas, Eduardo Braga (MDB), foi o que mais gastou da atual bancada regional, que inclui outros dois senadores, Omar Aziz (PSD) e Plínio Valério (PSDB), no período de 2019 a 2021.  

Dos R$ 2.298.255,34 registrados em despesas pelos três parlamentares, R$ 1.546.105,34 foram só de Braga, o equivalente a 67,2% do gasto total de bancada. O senador do MDB é postulante ao cargo de governador do Amazonas em 2022.

A despesa da bancada federal de senadores foi feita via Portal da Transparência. (Arte: Guilherme Oliveira/Revista Cenarium)

Os números foram calculados sobre os gastos da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) e despesas não inclusas na Ceap desde o dia 1 de janeiro de 2019 até o dia 12 de março deste ano. A Ceap disponibiliza um valor de, aproximadamente, R$ 522 mil ao ano para cada senador do Amazonas.

O valor da Ceap para os senadores é definido para cada Estado (Senado/Reprodução)

As despesas da cota incluem o aluguel de imóveis para escritório político, aquisição de material de consumo, passagens aéreas, hospedagens, alimentação e combustíveis, contratação de apoio de serviço parlamentar, divulgação da atividade parlamentar e serviços de segurança privada.

Os gastos não inclusos na Ceap são as diárias pagas por viagens oficiais, ressarcimento de passagens em viagens oficiais, consumo de material no mesmo tipo de deslocamento, correios e auxílio-moradia para o próprio parlamentar.  

Pelo regimento do Senado, além da Cota Parlamentar e despesas com agenda oficial, o parlamentar ainda tem direito a serviços odontológicos e psicoterápicos, além do plano de saúde médico, como também a contratação de servidores. Esses itens não foram considerados nesta reportagem.

Fornecedor repentino

Na análise dos gastos de Eduardo Braga, chamou a atenção a contratação da empresa L Coelho Serra, fundada em 18 de março de 2019, e que passou a fornecer serviços para o gabinete de Braga três meses depois.

Espelho da empresa criada em 2019, dados consultados na data-base da Receita Federal. (Reprodução/Internet)

Em 14 de junho do mesmo ano, a empresa emitiu a nota fiscal 2933.92EA, com o valor de R$ 30 mil para a consultoria de desenvolvimento de conteúdo multimídia e gerenciamento de estratégias e mídias digitais com a análise de métricas.

Nota Fiscal emitida para o gabinete de Eduardo Braga no Senado. (Reprodução/Internet)

A reportagem tentou contato com o responsável pela empresa, mas não obteve retorno.

Cuidado com imagem

Em 2019, Eduardo Braga gastou um total de R$ 551.057,16, somando Ceap e despesas não inclusas na cota. Desse valor, R$ 374.250 foram com contratação de “serviços de apoio parlamentar”, que incluem, principalmente, a divulgação da imagem. Em 2020, as despesas com o mesmo serviço foi para R$ 299.500, e, em 2021, o valor com o item chega a R$ 50 mil.

Omar Aziz, em 2019, registrou um total de despesa de R$ 542.079,75 com Ceap e despesas fora da cota, sendo R$ 325.200 com contratação de serviços de apoio parlamentar. Em 2020 e 2021, Omar não registrou gasto com o item.

Plínio Valério, em 2019, gastou um total de R$ 303.727,32 com a cota e itens fora da Ceap, desses, R$ 165 mil foram destinados à contratação de serviços de apoio parlamentar. No ano seguinte, o valor com esta despesa aumentou para R$ 183.850, e em 2021, o registro com o item é de R$ 1.150.

Mais bem pagos

O Senado Federal conta, hoje, com 81 parlamentares em exercício e 10 afastados e/ou de licença do cargo. Cada senador recebe um salário bruto de R$ 33.763. 

Os salários de todos os senadores geram uma despesa de R$ 3.072.433 ao mês. Esse valor salarial coloca os senadores brasileiros entre os parlamentares mais bem pagos do planeta. No ranking elaborado pela revista The Economist, o Brasil ocupa a quinta posição.

Questionado sobre ser o primeiro no ranking de gastos da bancada do Amazonas no Senado, o senador Eduardo Braga, por meio de sua assessoria, emitiu uma nota. O documento diz que o parlamentar “deu continuidade às atividades parlamentares após a decretação da pandemia de Covid-19, obedecendo a todos os protocolos recomendados pelas autoridades de saúde do País”.

‘Não há ilegalidade’

Ainda segundo a nota de Braga, “os gabinetes do Senado e de Manaus (AM) permaneceram em funcionamento, num esquema de rodízio para evitar a aglomeração das equipes”.

O documento informa ainda que o “senador cumpre, inclusive, agendas em ministérios e demais órgãos federais, conforme foi amplamente divulgado pelas suas redes sociais e por meio da assessoria de imprensa”.

A nota finaliza explicando que: “Não há nenhuma ilegalidade na empresa ou na contratação. Tudo foi avaliado e aprovado pelo Senado Federal”, ao referir-se sobre a empresa L Coelho Serra, criada três meses antes de ser contratada pelo gabinete do senador Eduardo Braga.

(*) Colaboraram as jornalistas Carolina Givoni e Jeniffer Silva

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)