Paula Litaiff

Câmaras frigoríficas retornam a hospitais de Manaus após aumento de mortes por Covid-19

Por Paula Litaiff

MANAUS – Utilizadas em Manaus no ápice da pandemia do novo coronavírus (abril de 2020), as câmaras frigoríficas devem voltar às portas dos hospitais públicos da capital. A medida foi cogitada por técnicos da Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas (SES/AM) na manhã desta segunda-feira, 28, durante uma reunião interna, cujas informações a REVISTA CENARIUM teve acesso.

Causador da Covid-19, o novo vírus teve alta nas infecções este mês na cidade com as aglomerações das campanhas eleitorais em novembro e das preparações para as festas de final de ano.

Na véspera de Natal, 24, ocorreu o maior número de sepultamentos de dezembro, 57 enterros, em um único dia, segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp).

Gráfico de enterros da Semulsp (Semcom)

Nas últimas 48 horas, foram registrados 429 casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, conforme o último boletim da Fundação de Vigilância Sanitária (FVS/AM). Com essa atualização, totaliza 196.436 a quantidade de infectados com a doença no estado.

De acordo com a Semulsp, as causas das mortes nos cemitérios públicos da capital do Amazonas na véspera de Natal apontam para 13  declaradas como Covid-19 e nos espaços privados houve o registro de um óbito pelo novo coronavírus, totalizando 14.

Outras causas das mortes de 24 de dezembro foram por insuficiência respiratória, dois por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e outros oito por causas desconhecidas ou indeterminadas.

Estados gravíssimos

“Há uma grande resistência para o retorno das câmaras frigoríficas aos hospitais, mas não estamos encontrando outra saída diante do aumento do quadro de pessoas que chegam à Emergência em estado gravíssimo de saúde”, afirmou uma técnica da SES, que preferiu não ser identificada.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 645 pacientes internados, sendo 392 em leitos (107 na rede privada e 285 na rede pública), 245 em UTI (88 na rede privada e 157 na rede pública) e oito em “sala vermelha”.

A sala vermelha é uma estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da rede de atenção à saúde.

 Há ainda outros 147 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 101 estão em leitos clínicos (55 na rede privada e 46 na rede pública), 40 estão em UTI (23 na rede privada e 17 na rede pública) e seis em sala vermelha.

Em abril deste ano, foram instaladas câmaras frigoríficas nos Hospitais Pronto-Socorros (HPSs) João Lúcio, 28 de Agosto e Platão Araújo; nos hospitais de referência Delphina Aziz; e no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), para o acondicionamento de corpos de pacientes que vieram a óbito nessas unidades

Plano de Contingência

A Secretaria de Saúde do Amazonas antecipou mais uma fase do Plano de Contingência Estadual para o Recrudescimento da Covid-19. Nesse domingo, 27, após o registro de 95 novas hospitalizações em um o dia.

De acordo com a assessoria de imprensa, a secretaria deu seguimento para a quarta fase do plano de abertura de leitos Covid e começou o movimento para a mudança de perfil do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona centro-sul de Manaus.

Ainda na noite de domingo, a SES-AM mobilizou hospitais gerais, como o Adriano Jorge e o Getúlio Vargas, além de outras unidades definidas no plano como unidades de retaguarda.

O objetivo é receber 27 pacientes não Covid-19 internados na UTI do 1º andar do HPS 28 de Agosto e, assim, destinar o espaço para receber pacientes com a Covid-19. O hospital também vai reservar um outro andar exclusivo para leitos clínicos destinados à doença.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)