#Factuais

Oposição na Aleam: Péricles acusa Dermilson de usar CPI para beneficiar Braga

À esquerda, Péricles Nascimento, no meio, Dermilson Chagas e à direita, Eduardo Braga (Reprodução/Internet)
Victória Sales e Priscilla Peixoto e Gisele Coutinho – Da Revista Cenarium

MANAUS – Declarando independência aos deputados de oposição na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o parlamentar Péricles Nascimento (PSL) provocou um “racha” durante votação da CPI da Asfixia em sessão na casa legislativa nesta terça-feira, 06. Afirmando não estar ligado a Eduardo Braga (MDB) e Amazonino Mendes (Podemos) que supostamente seriam aliados ao deputado Dermilson Chagas, os parlamentares, incluindo o deputado Wilker Barreto (Podemos), protagonizaram cenas de desentendimentos.

“Eu não tenho que dar satisfação ao governador”, afirma Dermilson Chagas. Em resposta, o delegado declara. “Muito menos eu, você tem que dar ao Eduardo Braga, eu não tenho que dar nem ao Wilson, nem ao Eduardo Braga, nem ao Omar, essa é a nossa diferença. O senhor tem grupo político, eu sou totalmente independente”, ressaltou Péricles.

As discussões iniciaram após o delegado ter apresentado uma nova proposta de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Essas sugestões são distintas com as apresentadas por Wilker e Dermilson, contanto com sete assinaturas.

Péricles surpreendeu a todos os outros deputados, incluindo seu grupo político, apresentando um novo pedido de instalação da CPI, que é também conhecida como CPI da Asfixia. Segundo o delegado, a comissão deve ter uma nova linha de investigação, que é voltada ao período em que faltou oxigênio em Manaus. Em contrapartida, os deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas pedem para que haja investigação de todo o período da pandemia da Covid-19 no Amazonas, e não somente de forma isolada.

Segundo o delegado, o papel principal dos parlamentares é fiscalizar, investigar e apurar todos os atos do Executivo. “Sou defensor árduo disso. Tanto que ano passado fui autor e presidente da CPI da Saúde e este ano já assinei a da Pandemia. Mas quero que não corramos riscos de problemas de objetos futuros”, afirmou o deputado em suas redes sociais após as discussões ocorridas, durante a sessão.

Ainda segundo Péricles, ele se propôs a instalar a CPI da Asfixia, a fim de que seja apurado o fato ainda mais específico: a crise de oxigênio no Amazonas. “Precisamos investigar com todas as forças e dedicação a extrema falta de oxigênio que tirou a vida de tantas pessoas. Os culpados precisam pagar por isso”, destacou ele também nas redes sociais.

Em nota, o deputado Wilker Barreto afirma que não concorda com o objeto da propositura, e solicitou a ampliação do mesmo. “Esta CPI do Péricles só vai investigar aquilo que o Brasil e o Amazonas já sabem, a CPI do Senado já está apurando a crise do oxigênio e vosso pedido não adentra um contrato, não propõe apurar uma moeda para onde foi o dinheiro do contribuinte. Só assinarei esta CPI se o fato determinado incluir os contratos feitos tanto na primeira quanto na segunda onda da Covid-19”, afirmou Barreto.

Wilker aproveitou para criticar o momento em que o pedido da CPI da Asfixia foi protocolado, ou seja, quando a CPI da Pandemia estava prestes a completar oito assinaturas para ser instaurada na Aleam. “Me permita a franqueza, mas jabuti não sobe em árvore. Nós estamos a um passo da CPI ser instalada nesta Casa e agora estão encontrando a vírgula que juridicamente está mal colocada. Uma CPI governista e que falta com respeito ao povo em não apurar os milhões que pertencem ao contribuinte. Não dá para ter uma CPI apenas para apurar um dos itens do colapso. Nós estamos fazendo o aditivo provocando o proponente”, destacou Barreto em nota.

Sessão

Durante discussão no plenário Ruy Araújo, o delegado Péricles afirma que o pedido da CPI está genérico, onde apresentou e ressaltou alguns pontos negativos em relação à CPI da Asfixia, para que não haja um problema de suspensão da comissão. “Por isso eu peço a assinatura na minha CPI, a CPI da Asfixia que trata de fato com determinado respeito a falta de oxigênio no Amazonas e claro com ligações com outros casos graves que aconteceram em período de pandemia no Estado e que não foi apurado pela CPI do ano passado”, destacou.Deputado Delegado Péricles durante a sessão na Aleam (Reprodução/Internet)

Já Wilker aproveitou o momento para criticar a CPI, a intitulando como “CPI Governista”, além de destacar que essa é uma CPI que não vai adentrar no abandono dos contratos firmados no interior do Amazonas e ressalta que o deputado Péricles também foi coautor junto a ele e Dermilson. “Deputado Serafim Correa, nós fizemos uma CPI para investigar uma década, a primeira, você quer mais abrangência que isso deputado? Você quer mais espaço temporal do que isso deputado presidente? Minha proposta e do deputado Dermilson e Péricles é apurar a pandemia, que é um exercício de 12 meses”, afirma em tom de reprovação.Wilker Barreto durante sessão parlamentar (Reprodução/Internet)

Dermilson chamou a proposta feita por Péricles de “manobra” governista. “Péricles, se você se comporta como base no governo, peça para a base assinar a CPI. Deputado Wilker, nós estamos vendo uma manobra para não sair a CPI por vaidade, por ego, por uma pessoa que não consegue defender nem seu presidente da República, uma pessoa que está em busca de algo concreto, de algo para se segurar, não em salvar a vida do povo como o deputado Sinésio falou”, salientou.Dermilson Chagas em sessão na Aleam (Reprodução/Internet)

Exclusividade

Procurado pela CENARIUM, o delegado Péricles afirmou que percebeu que não atendia aos requisitos básicos dos fatos determinados e apresentou fatos negativos que o levou a trazer uma nova proposta de investigação. Entre os critérios citados pelo parlamentar, é possível identificar: a necessidade de uma CPI específica para investigar contratos de publicidade firmados pelo governo do Estado, dada a extensão e complexidade do tema.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais. Há 15 anos na profissão, atua no Jornalismo de Dados e em Reportagens Investigativas. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings – Bandidos na TV da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)