Paula Litaiff

MPF vai investigar suposta intimidação de agentes federais a manifestantes em Manaus

Supostos agentes da PRF na sede do sindicato em Manaus (Agência O Globo)

Paula Litaiff – Para Jornal O GLOBO

Manaus — O Ministério Público Federal (MPF) vai investigar um caso de suposta intimidação de agentes federais a manifestantes que planejavam um protesto contra a visita do presidente Jair Bolsonaro, durante a visita dele a Manaus nesta quinta-feira.

A manifestação estava sendo organizada na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), no Centro da capital amazonense, em uma reunião, na noite desta terça-feira, quando o local foi invadido por três homens vestidos com a farda da Polícia Rodoviária Federal (PRF), portando armamento pesado, semelhantes a fuzis.

Interrogada pelos agentes, a presidente do Sinteam, Ana Cristina Pereira, disse que ficou surpresa com a presença dos agentes federais, que entraram na sede do sindicato sem serem autorizados pela recepção e sem mandado judicial.

“Desde a redemocratização do Brasil, essa é a primeira vez que sei e presencio um caso em que agentes federais invadem uma reunião de sindicato para saber o que está ocorrendo nela”, disse.

Segundo Cristina, o MPF abriu um procedimento denominado de “Notícia Fato” para apurar a suposta intimidação dos agentes da PRF. A medida foi adotada pelo procurador-chefe do MPF no Amazonas, Edmilson Barreiros.

Os manifestantes planejavam protestar para chamar a atenção de Bolsonaro para a importância da Zona Franca de Manaus ao Brasil, no desenvolvimento da Amazônia e na manutenção das florestas. Há dois meses, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, em entrevista à GloboNews, que não ia “ferrar” o restante das cidades brasileiras por causa de Manaus.

Guedes se referia aos incentivos tributários concedidos exclusivamente às empresas do Polo Industrial de Manaus, como forma de mantê-las no estado, considerando a dificuldade logística da região unida à falta de novas matrizes econômicas.

O MPF vai se manifestar sobre a investigação, após ouvir os membros do Sindicato do Trabalhadores em Educação e a Polícia Rodoviária Federal. Procurado, o Exército, representado pelo Comando Militar da Amazônia (CMA), negou que tivesse enviado “representantes” para invadir a sede do Sinteam.

Em busca de líderes do movimento

De acordo com a presidente do sindicato, os homens interrogaram os sindicalistas durante 30 minutos. Eles procuravam saber como a manifestação estava sendo organizada e quem eram os líderes do movimento.

“A primeira informação que eles buscavam era saber quem eram os líderes do protesto e de que forma a manifestação seria realizada. Não respondemos, porque não acreditávamos que aquilo estava acontecendo. A nossa liberdade de expressão sendo cerceada”, afirmou a sindicalista.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)