#Factuais

EDITORIAL | Um conselho figurativo, as florestas e a economia

(Geraldo Lino/DefesaNet)
Paula Litaiff – Especial Para Revista Cenarium*

O caráter figurativo do Conselho Nacional da Amazônia Legal, criado em 11 de fevereiro de 2020, frente ao desmatamento histórico das florestas, no semestre passado, deve agravar, mais ainda, a economia brasileira, que está em sua décima recessão histórica, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Tendo como principais áreas de atuação o combate ao desmatamento, a recomposição operacional da fiscalização e a
regularização fundiária, o Conselho da Amazônia absteve-se de impedir o desmonte de órgãos de controle ambiental e calou-se para o avanço da grilagem, gerando uma imagem controversa do País a investidores externos.

Para se ter uma ideia, de janeiro a junho, a Amazônia Legal, que compreende 59% do território nacional, perdeu uma área de vegetação equivalente a mais de quatro cidades de Nova Iorque (EUA), apontaram os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O déficit florestal é o maior dos últimos seis anos.

O Conselho da Amazônia, criado para atender a uma demanda publicitária externa, não foi omisso só com as responsabilidades que tomou para si. Presidido pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, com o apoio de órgãos ministeriais, o conselho fez vista grossa para atos criminosos.

Uma reportagem investigativa da Agência Reuters – uma das maiores do mundo – apontou, em julho, que Jair Bolsonaro obstruiu o sistema de multas ambientais, um dos principais instrumentos para punir aqueles que desmatam ilegalmente. A Reuters citou um acúmulo de mais de 17 mil multas, que deixaram de ser cobradas.

Com a descoberta, ativistas estrangeiros ficaram em alerta, uma vez que que a proteção da Amazônia é vital para limitar as mudanças climáticas por causa da vasta quantidade de gases do efeito estufa que a floresta absorve.

Diante de um futuro obscuro para as florestas da Amazônia, instituições de controle internacional pressionam as empresas multinacionais a retirarem ou mesmo a frearem os investimentos no País até que o governo decida agir.

Apesar de evidente, o governo Bolsonaro e os que o apoiam não querem ver o que os países desenvolvidos compreenderam há décadas: não há crescimento financeiro sem comprometimento ambiental e, sendo assim, a Amazônia é vital para a sobrevivência econômica do Brasil.

(*) Este editorial foi publicado originalmente na versão impressa de julho da Revista Cenarium

Acesse a edição impressa em PDF aqui



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais. Há 15 anos na profissão, atua no Jornalismo de Dados e em Reportagens Investigativas. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings – Bandidos na TV da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)