Paula Litaiff

RO é o Estado com a maior população LGBTQIA+ mas ainda impera a ‘naturalização do preconceito’, diz especialista

Apesar do 'avanço', o País ainda precisa melhorar em respeito e políticas públicas, visto que é um dos primeiros do mundo em LGBTFobia e, há 13 anos, o que mais mata pessoas trans e travesti no planeta, segundo dados da Transgender Europe (Foto: Reprodução)
Iury Lima – Da Revista Cenarium

VILHENA (RO) –  Pela primeira vez, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mapeou a população fora do ‘padrão heteronormativo’ em território nacional. Apesar de toda a diversidade da sigla LGBTQIA+, o questionário respondido, majoritariamente, por pessoas de 18 a 29 anos, dava como opções específicas apenas duas orientações sexuais, além da hétero: a homossexualidade e a bissexualidade. O resultado apontou que, de todos os Estados brasileiros, Rondônia é o que mais tem pessoas gays ou bissexuais autodeclaradas.

A pesquisa foi feita em 2019, por meio de visitas domiciliares. Mesmo com este ‘avanço’, o próprio instituto reconhece que os dados podem estar defasados, justamente porque ainda existe muito preconceito no Brasil.

“Eu acredito que para o País avançar no combate à LGBTFobia, transfobia e à homofobia, é preciso conhecimento, pois a situação só está da forma como está, por conta da naturalização do preconceito”, avaliou a cineasta e especialista em Gênero e Diversidade na Escola, Allyne da Silva Teixeira, em entrevista à REVISTA CENARIUM

Para a cineasta e especialista em Gênero e Diversidade na Escola, Allyne Teixeira, parte da ‘naturalização do preconceito’ está relacionada à falta de debate nos espaços educativos (Reprodução/Acervo Pessoal)

A pesquisa

Em Rondônia, 91,2% dos cidadãos, ou seja, algo em torno de 9 em cada 10, de quase 2 milhões de habitantes, se consideram heterossexuais, portanto, pelo menos 24 mil rondonienses fazem parte do grupo LGBTQIA+, sendo a maior proporção em relação a outros Estados. 

Já no recorte sobre as capitais brasileiras, Porto Velho apresentou 374 mil respostas. Entre elas, 8 mil eram de pessoas gays, lésbicas ou bissexuais. Parte dos entrevistados disse não saber a própria orientação sexual e, ainda, outra parcela, se absteve da pesquisa. 

Em todo o País, quase 3 milhões de homens e mulheres responderam ser, assumidamente, gays ou bi.

Barreiras educacionais (e aquisitivas)

Outro indicador interessante está atrelado à renda e ao grau de instrução da população: quanto mais alto o salário e escolaridade, maior a autodeclaração como pessoa LGBTQIA+. “No grupo de pessoas com nível superior, 3,2% se declararam homossexual ou bissexual, percentual significativamente maior do que os sem instrução ou com nível fundamental incompleto (0,5%)”, apontou o estudo.

A coordenadora da pesquisa do IBGE, Maria Lucia Vieira, observa que este indicador “sugere que as pessoas com mais nível de instrução e renda têm menos barreiras para declarar sua orientação sexual ou ainda maior entendimento dos termos usados”“A proporção que disseram não saber ou recusaram a responder foi maior entre aquelas com menor nível de instrução e rendimento”, acrescentou a coordenadora.

A coordenadora da pesquisa promovida pelo IBGE garante que o estudo possibilita dar um primeiro passo de visibilidade estatística para as pessoas fora do padrão heteronormativo (Reprodução/IBGE)

Sendo assim, o número de pessoas que não quis responder foi maior que o total das que se declararam homossexuais e bissexuais: 3,6 milhões.

Para que serve a pesquisa?

Vieira ressalta que o estudo não visa apenas identificar a orientação sexual da população brasileira, mas sim, entender melhor o perfil e comportamento dessas pessoas, cruzando informações fundamentais a qualquer parcela dos cidadãos, a fim de promover igualdade. 

“Essa pergunta foi inserida na Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), coletada em 2019, com o próprio morador. Isso permite avaliar não apenas o total de pessoas que se identificou como homossexual ou bissexual, mas também realizar estudos relacionando a orientação sexual com as suas características de trabalho, saúde e violência”, ponderou a coordenadora da pesquisa.

“Esses resultados representam um importante primeiro passo para dar visibilidade estatística para esta população em âmbito nacional”, finalizou a especialista.

Caminho a seguir

Por outro lado, o País ainda precisa avançar em respeito e políticas públicas, visto que é um dos primeiros do mundo em LGBTFobia e, há 13 anos, o que mais mata pessoas trans e travesti no planeta, segundo os dados da Transgender Europe, organização que faz monitoramento global sobre dados da população LGBTQIA+.

“Para combatermos isso, precisamos de efetividade nas leis contra a homofobia, além de conhecimento e consciência, nas escolas, por meio do debate. Só assim, por meio da informação, é que vamos promover sensibilidade e consciência”, ressaltou, por fim, a especialista em Gênero e Diversidade, Allyne Teixeira.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)