Paula Litaiff

O fator ‘Amazônia’ nas eleições

A Amazônia é o “fiel da balança” para quase 70% dos eleitores (Divulgação)

Com 12% do eleitorado brasileiro, a Amazônia é o “fiel da balança” para quase 70% dos eleitores. A constatação está em pontos destacados de um estudo inédito que a REVISTA CENARIUM detalha na edição de setembro, mas, também, é facilmente percebida em debates nas redes sociais e nas ruas das grandes metrópoles.

A importância do maior patrimônio ambiental do País passou a ser notada entre muitos brasileiros, principalmente, a partir do pleito presidencial norte-americano, em 2020, quando o assunto “Amazônia” foi debatido entre Joe Biden e Donald Trump e o embate sobre o tema específico foi parar no trend topic mundial do Twitter.

O peso internacional da Amazônia nessas eleições ganhou ainda mais força neste mês, quando o presidente da Colômbia, Gustavo Petro, alertou o mundo sobre a devastação da região. “A Amazônia queima, senhores, enquanto vocês fazem a guerra e jogam com isso. A floresta, pilar climático do mundo, some com toda a sua vida. A grande esponja que absorve o CO2 do planeta está evaporando”, disse Petro aos líderes de outras nações.

Por outro lado, a consciência nacional sobre a relevância da região amazônica sofreu novo impulso, também, no mês de setembro depois que o satélite geoestacionário Goes-16 mostrou que a maior cidade brasileira, São Paulo, foi atingida pela dispersão do rastro de fumaça, causada pelas queimadas nos Estados do Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima, Mato Grosso e Pará.

Em quatro dias de setembro, as queimadas no Pará superaram a marca de setembro de 2021. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontou que, de primeiro de janeiro até o dia 5 de setembro, os satélites registraram 20.614 pontos de fogo na floresta.

O que era, para muitos, um discurso do marketing politicamente correto, com o intuito de conceituar marcas e celebridades, tornou-se uma preocupação real e caso de saúde e segurança públicas para os brasileiros, com a manutenção do “ativo ambiental” tornando-se prioritária.

Portanto, a Amazônia como “fiel da balança” – no contexto de fazer a diferença em uma disputa – é, hoje, o fator influenciador para a maioria dos eleitores que decidiu se livrar de fardos políticos geradores de retrocessos imensuráveis para o mundo.

O assunto foi tema de capa e especial jornalístico da nova edição da REVISTA CENARIUM do mês de setembro de 2022. Acesse aqui para ler o conteúdo completo.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)