Paula Litaiff

No AM, manifestantes reunidos em frente ao CMA provocam ‘avalanche’ de infrações no trânsito

Carro estacionado no acostamento da avenida Coronel Teixeira, em Manaus. (Gabriel Abreu/ Revista Cenarium)
Mencius Melo – Da Revista Cenarium

MANAUS – Ao completar quase uma semana do acampamento dos manifestantes em um ato antidemocrático na frente do Comando Militar da Amazônia (CMA), na zona Oeste de Manaus, registros feitos no local mostram infrações de trânsito cometidas por quem se instala no local. Filas duplas, estacionamento irregular, obstrução de calçadas e estacionamento em paradas destinadas ao transporte coletivo são apenas alguns dos delitos cometidos.

O CMA está localizado na avenida Coronel Teixeira, em frente a um centro de compras. Uma das infrações flagradas no local foi o estacionamento irregular. Por se tratar de uma avenida destinada ao trânsito rápido, o Código Nacional de Trânsito (Contran) proíbe o estacionamento, assim como na pista de rolamento das estradas, nas rodovias e nas vias dotadas de acostamento. A infração é considerada gravíssima e cabe multa, além de penalidade como remoção do veículo.

Carros estacionados no acostamento da avenida Coronel Teixeira, em Manaus; Ao fundo, uma parada de transporte coletivo (Ricardo Oliveira/ Revista Cenarium)

Nem mesmo os pontos de ônibus da área, que são utilizados por trabalhadores e moradores dos condomínios das adjacências, são respeitados. O Contran também proíbe o estacionamento onde houver sinalização horizontal delimitadora de ponto de embarque ou desembarque de passageiros de transporte coletivo. Na inexistência desta sinalização, é permitido estacionar no intervalo compreendido entre dez metros antes e depois do ponto.

Uma moradora do Condomínio Reserva das Praias, localizado no entorno do CMA, e que pediu anonimato, relatou que a situação na região é revoltante. “Está sempre congestionado com pessoas na rua, carros estacionados em calçadas, formando fila dupla, em cima do meio fio. Na segunda-feira, levei 40 minutos para chegar em casa em um trajeto em que levo normalmente dez minutos”, lamentou.

Manifestação causa transtorno no trânsito. (Reprodução/ Internet)

Infração cotidiana

Contatado pela reportagem da REVISTA CENARIUM, o Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) se limitou a informar que está acompanhando o evento por meio de monitoramento. “Monitoramento é quando o agente passa no local, mas não autua. Ele [o agente] pode advertir, mas não autuar”, explicou a assessoria de comunicação.

Já a assessoria da SSP informou que a PM e o Detran estão acompanhando a situação “nos limites da lei”. “Desde o primeiro momento, o policiamento foi reforçado para garantir a ordem no local e a não interferência no direito de ir e vir de outras pessoas”, finalizou.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)