Paula Litaiff
No mundo, três casos já são considerados como cura erradicativa, em que o HIV foi completamente removido. (Divulgação/ Internet)
#Factuais

Especialista fala da importância de cuidados contra ISTs

No mundo, três casos já são considerados como cura erradicativa, em que o HIV foi completamente removido. (Divulgação/ Internet)

Ana Pastana – Da Revista Cenarium

MANAUS – “A resposta é simples e objetiva, é praticar sexo seguro, principalmente nas relações eventuais, se tiver mais que um parceiro ou uma parceira”. A afirmação é do infectologista Nelson Barbosa sobre a importância dos cuidados nas relações sexuais. O uso de preservativo, além de impedir a gravidez indesejada, é de suma importância para prevenir as Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

O termo era conhecido popularmente como DST (Doença Sexualmente Transmissível) e passou a ser referido como IST (Infecção Sexualmente Transmissível), de acordo com o infectologista, para amenizar o preconceito com quem é HIV positivo. “Quando você fala doença sexualmente transmissível, soa a ideia de que a pessoa está doente e, às vezes, a pessoa tem somente o agente etiológico da infecção. O caso mais comum é o paciente portador do HIV (sigla em inglês para vírus da imunodeficiência humana). O paciente não está doente do HIV, ele está infectado. O termo infecção é mais correto”, disse.

De acordo com os dados mais recentes do boletim Epidemiológico de HIV/Aids do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), foram notificados 32.701 casos de HIV no Brasil em 2020. Sendo 69,8% do sexo masculino e 30,2% do sexo feminino, além de 7,8 mil casos de HIV em gestantes, o que representa a taxa de detecção de 2,7 mil casos para cada nascido.

Há também outras formas de transmitir a infecção como ainda de mãe para filho por meio do parto ou da amamentação, e de maneira menos comum, como a não sexual por intermédio do contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.

Sintomas
As ISTs podem se manifestar por meio de feridas, corrimentos e verrugas anogenitais. Entre outros possíveis sintomas pode haver dor pélvica, ardência ao urinar, lesões de pele e aumento de ínguas.

São consideradas Infecções Sexualmente Transmissíveis a herpes genital, sífilis, gonorreia, tricomoníase, infecção pelo HIV, infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV), hepatites virais B e C. As ISTs aparecem, principalmente, no órgão genital, mas podem surgir também em outras partes do corpo como palma das mãos, olhos, língua, dentre outros.

É importante que o corpo seja observado, o que pode ajudar em um diagnóstico no estágio inicial da infecção. Assim que algo de anormal for notado, independente do tempo que ocorreu a última relação sexual, deve-se procurar um serviço de saúde. O atendimento, diagnóstico e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúde do SUS.

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais e, atualmente, é diretora executiva da Agência e Revista Cenarium. Há 16 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais e, atualmente, é diretora executiva da Agência e Revista Cenarium. Há 16 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)