Paula Litaiff

Eduardo Braga: suspeita de lobby na Eletrobras lembra caso de Arena da Amazônia

O senador Eduardo Braga (© 18/09/2019/Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – O vazamento de informações privilegiadas no processo de privatização da Eletrobras envolvendo o senador Eduardo Braga (MDB-AM), na semana passada, traz à tona o escândalo da obra da Arena da Amazônia, em Manaus, no ano de 2016, no qual Braga foi acusado por empresários da construtora responsável pela obra, Andrade Gutierrez, de “cobrar propina”, em delação premiada da Operação Lava Jato. A prática escusa era recorrente, segundo os depoimentos.

Conforme noticiado pela REVISTA CENARIUM, existe uma denúncia para que seja investigada a relação entre Eduardo Braga e o empresário e acionista da Eletrobras, Lírio Parisotto, apresentada neste mês na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo os parlamentares Fernanda Melchionna (Psol-RS) e Glauber Braga (Psol-RJ), responsáveis pela queixa, há indícios de violação de regras que favoreceriam Lírio na privatização da companhia, já que Braga será o provável relator da medida provisória que prevê a privatização da empresa no Senado.

Os deputados destacaram a relação próxima entre o senador amazonense e o empresário. O empresário, inclusive, foi suplente do senador nas 54ª e 55ª legislaturas do Senado, pelo Estado do Amazonas.

Para os parlamentares, a relação próxima dá a Lírio Parisotto grande influência política e, possivelmente, acesso a informações privilegiadas no debate sobre a privatização da empresa, o que “potencialmente cria vantagens que violam as normas de mercado”.

Arena da Amazônia

A suspeita atual de favorecimento da Eletrobras lembrou outra irregularidade denunciada feita há cinco anos contra o senador do MDB. Em 2016, a TV Globo teve acesso, com exclusividade, a trechos de depoimentos dos ex-executivos da construtora, nos quais detalhavam que, para ganhar a obra da Arena da Amazônia, pagaram propina ao governo e que “pagar propina para o Governo do Amazonas era rotina”. Eduardo Braga foi governador do Estado durante os anos de 2003 a 2010.

Na delação premiada, Clóvis Primo e Rogério Nora de Sá revelaram também aos procuradores da Lava Jato que a Andrade Gutierrez obteve informações privilegiadas do governo estadual à época. Segundo a reportagem, os dois ex-executivos disseram também que a construtora inclusive ajudou na elaboração do projeto e do edital da licitação.

“O ex-executivo Clóvis Primo disse aos procuradores que a Andrade Gutierrez tinha preferência pela obra, porque a empresa estava instalada no Amazonas havia muitos anos. Segundo a delação, já havia uma combinação com o então governador Eduardo Braga do MDB, que valeu pelos oito anos do governo dele: propina de 10% sobre o valor de cada obra da empreiteira”, dizia a reportagem.

Clóvis Primo contou ainda que Braga era “jogo duro”: fazia ameaças, se houvesse atraso no pagamento da propina. Já Rogério Nora de Sá estimou que foram pagos de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões de reais ao então governador.

Veja a reportagem:

Reportagem do Jornal Hoje, da TV Globo, sobre a delação premiada dos ex-executivos da Andrade Gutierreza (Reprodução/TV Globo)

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)