#Factuais

Dez dias após morte de liderança indígena, familiares sofrem com fome e miséria em Mato Grosso do Sul

Márcio foi assassinado em 14 de julho, em uma emboscada no Mato Grosso do Sul (Reprodução)

Ívina Garcia – Da Revista Cenarium

MANAUS – Familiares do Kaiowá Márcio Moreira, liderança indígena assassinada durante emboscada em Amambaí, no Mato Grosso do Sul, “estão passando fome e em situação de miséria”. A denúncia foi feita pela Grande Assembleia Guarani e Kaiowá (AtyGuasu) nesta terça-feira, 26.

Em vídeo publicado no perfil da AtyGuasu, a mãe de Márcio, junto com as duas filhas do indígena, fala em língua nativa sobre as dificuldades que estão passando desde o assassinato do Kaiowá e pedem apoio emergencial para sobreviver, como destaca a legenda postada pela instituição.

Urgente! A pedido da mãe e das filhas sobreviventes da liderança in memoriam Márcio Moreira, assassinado na retomada Tekoha Guapo’y Mitrim Tujury-Amambai-Ms, postamos campanha de aporte emergencial às crianças sobreviventes em situação e miséria”, consta um trecho da legenda.

O pedido urgente acontece mais de 10 dias após a morte do líder indígena, ocasionada durante a retomada Tekoha Guapo’y Mirim Tujury-Amambai, que vem ocorrendo desde o início do ano, em conflito com fazendeiros e a Polícia Militar de MS. Márcio foi assassinado a tiros no dia 14 de julho, durante uma emboscada realizada na região próxima do local onde ocorrem os conflitos. A vítima estava acompanhado de outros quatro indígenas Kaiowá.

Apatia

Desde o início dos confrontos, há quase três meses, o presidente Jair Bolsonaro (PL) não se manifestou sobre os casos, apesar da pressão feita por ativistas e os povos originários da região. Nas redes sociais, indígenas e ativistas tem, constantemente, se manifestado, cobrando ações do governo federal e a cobertura da imprensa nacional, da situação que ficou conhecida como “Massacre Guapo’y”, com ataques que perduram há meses no território, como mostrou a reportagem da Revista Cenarium.

Em junho, a REVISTA CENARIUM publicou uma matéria na qual abordou os ataques aos povos indígenas e relembrou que a violência não é algo novo na região. O território já foi palco de outros casos contra um povo cansado da omissão do governo federal quanto à pauta.

Perante estas situações, o governo é omisso, mas lembremos que Bolsonaro já tinha defendido desde o início da sua campanha que não ía demarcar nenhum centímetro de terra indígena. A situação dos parentes Kaiowá é um reflexo da não homologação das terras indígenas no Brasil. Essa diminuição faz com que nossos próprios parentes levantem as mãos e façam esse processo de retomada da demarcação, na medida em que a Funai foi sucateada“, considerou o indígena e antropólogo Tarisson Nawa, em entrevista à CENARIUM

Quem puder ajudar os familiares do Kaiowá Márcio Moreira podem realizar doações para o Pix de Tonico Benites, líder indígena, antropologista, defensor de direitos humanos brasileiro e o principal porta-voz da Aty Guasu: CPF 557.639.601-49.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais e, atualmente, é diretora executiva da Agência e Revista Cenarium. Há 16 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)