Paula Litaiff

Ao não se explicar e atacar promotor, prefeito de Manaus causa revolta em órgãos de controle do AM

Por Paula Litaiff

MANAUS – Sem apresentar provas contra a acusação do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) de indícios da prática de falsidade ideológica e peculato no processo de imunização da Covid-19, o prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), decidiu atacar e ameaçar o promotor de Justiça, Armando Gurgel Maia, do Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco). 

Chefe do Gaeco, departamento que inclui outros promotores, Armando Gurgel pediu a prisão preventiva de David Almeida e de outros 21 servidores da Prefeitura de Manaus por suspeitas de beneficiarem apadrinhados políticos e amigos empresários na vacinação da Covid-19 em detrimento do grupo prioritário, formado por funcionários de Saúde e idosos.

Em nota, David Almeida disse que a ação do promotor foi “ilegal” e prometeu providências contra ele, mas sem dizer quais seriam. Ele afirmou ainda que Armando Gurgel agiu ilegalmente e prometeu ingressar “com as medidas cabíveis”, mas sem fazer citações nominais.

O comportamento do prefeito de Manaus causou revolta em representantes de órgãos de controle que atuam em parceria com o Ministério Público do Estado na fiscalização da vacinação contra a Covid-19, conforme apurado pela coluna. A imunização está suspensa pela Justiça, após provadas inconsistências na relação de vacinados.

Fiscalização conjunta

A decisão, assinada pela juíza Jaiza Fraxe, acatou uma Ação Civil Pública, ajuizada pelos Ministérios Públicos Estadual (MP-AM), Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e de Contas (MPC), em conjunto com as Defensorias da União (DPU) e do Estado (DPE).

Membros dos órgãos de controle questionaram, nos bastidores, a decisão do prefeito em atacar o Ministério Público sem buscar justificativas concretas de sua inocência no caso. O pedido de prisão do promotor foi baseado em documentos e mensagens de aplicativos, além de testemunhas ouvidas pelo MP-AM.

Desde quando foram feitas denúncias contra o prefeito de Manaus sobre o desvio das vacinas da Covid-19, ele não executou qualquer punição aos servidores, apenas criou uma Comissão de Fiscalização do Plano de Imunização com a missão de fazer auditoria na lista de vacinados, segundo o Decreto Municipal 5.015/2021.

Distorcendo a decisão

Ainda na nota distribuída à imprensa, David Almeida distorceu a decisão do desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Hamilton Saraiva, que não acatou o pedido de prisão dele.

O prefeito de Manaus alega que a decisão ocorreu porque não haveria qualquer ato ilegal “realizado” , quando, na verdade, o magistrado sequer analisou o mérito da ação criminal do Ministério Público.

Nota na íntegra

Entenda o assunto  

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.


«

Comentários para este post estão fechados

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff é diretora executiva da Revista Cenarium e Agência Amazônia, além de compor a bancada do programa de Rádio/TV “Boa Noite, Amazônia!”. Há 17 anos, atua no Jornalismo de Dados, em Reportagens Investigativas e debate de temas sociais. Escreveu para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo com pautas sobre Amazônia. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)