#Factuais

Artistas e organizações não governamentais se manifestam contra ‘PL da Grilagem’

A atriz Alice Braga e o deputado federal Bosco Saraiva (Solidariedade-AM) (Reprodução/Internet)

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – O Projeto de Lei (PL) 2.633/2020 volta aos assuntos nesta semana e mais uma vez pessoas ligadas ao mundo artístico se pronunciam em relação ao projeto que ficou conhecido como “PL da Grilagem”. Na terça-feira, 6, a atriz brasileira Alice Braga usou a rede social Twitter para pressionar o relator da matéria, o deputado federal amazonense Bosco Saraiva (Solidariedade), pela derrubada do PL.

“O PL da grilagem quer premiar grileiro, ladrão de terra e vai abrir ainda mais a porteira para a boiada passar. Não dá!”, postou Alice.

A atriz chegou a marcar na postagem não só o perfil de Bosco Saraiva, mas também o do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP- AL), e usou as hashtags #PL2633Não, #GrilagemNão e #DiaDaBoiada. Apesar de ser brasileira, Alice Braga é radicada nos Estados Unidos e endossa a lista de artistas que já se posicionaram contra o “PL da Grilagem”.

O tweet da atriz brasileira Alice Braga (Reprodução/Twitter)

Mobilização nacional

Em maio do ano passado, artistas como Christiane Torloni, Bruno Gagliasso, Bela Gil, Giselle Bündchen e até Caetano Veloso já se pronunciaram contra o projeto. Além das críticas, eles também repreenderam o momento em que a discussão entrou em pauta, justamente na fase da pandemia desencadeada pela Covid-19 em que o número de mortes no Brasil era crescente.

“Meus amigos, o Brasil já perdeu mais de 15 mil vidas, nós estamos em plena luta e em pleno tudo por aqueles que se foram, esse é o momento de se discutir regulamentação de terra? Esse é momento de abrir as ‘porteiras’ da Amazônia para grilagem, mineração, desmatamento, queimadas? Isso é um completo absurdo. Não ao PL 2633, neste momento, nós brasileiros estamos de luto e em luta… Não votem na PL neste momento, precisamos discuti-las, debatê-las democraticamente, não às portas fechadas”, declarou a atriz Christiane Torloni em vídeo.

“No meio de uma pandemia querem beneficiar grileiros de terras, gente que roubou terras públicas. Essa Lei vai aumentar ainda mais o desmatamento na Amazônia. Ela vai aumentar ainda mais a violência contra indígenas, contra fiscais do Ibama que estão lá para proteger a terra, isso seria uma tragédia. E é por isso que eu quero fazer um apelo, a gente não pode deixar isso acontecer”, protestou o ator Bruno Glagliasso.

A cantora paraense Gabi Amarantos também teve seu apelo postado em formato de vídeo pela ONG 342 Amazônia, junto à cantora Anita, a atriz Letícia Spiller e Fernanda Paes Leme. Em tom de apelo a cantora se dirige aos responsáveis pelo projeto. “Ouça seu povo, ouça o Brasil. Não vote no projeto de lei 2633 agora”, pediu a cantora.

Além dos artistas, organizações ambientais e até sites se posicionaram contra a iniciativa. Um exemplo é o site ClimaInfo que publicou um post com imagens de Bosco Saraiva e Arthur Lira seguida da seguinte frase: “Grilagem é roubo”.

A manifestação do site ClimaInfo (Reprodução/Twitter)

O projeto

Em resumo, o Projeto de Lei (PL) 2633/2020 tem como proposta alterar normas voltadas à ocupação de terras públicas federais e legaliza ocupações de terras feitas fora das normas, consequentemente beneficiando grileiros e aumentando o risco de desmatamento, o que causou ampla mobilização contrária ao projeto.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

A AUTORA

Graduada em Jornalismo, Paula Litaiff tem especialização em Gestão de Políticas Sociais. Há 15 anos na profissão, atua no Jornalismo de Dados e em Reportagens Investigativas. Produziu matérias para veículos de comunicação nacional, como Jornal Estado de S. Paulo e Jornal O Globo. Seu trabalho jornalístico contribuiu na produção do documentário Killer Ratings – Bandidos na TV da Netflix.

Paula Litaiff é Diretora de Redação em

O SITE

O Site da Paula Litaiff tem como principal finalidade a emissão de opinião sobre diversos temas sociais, políticos e econômicos, levando o leitor à reflexão sobre a importância de se tornar um agente transformador da sociedade.


Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto – e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio extremamente perigoso…

(in Um Sopro de Vida | CLARICE LISPECTOR)